31/07/2009

Fala o que quer, ouve o que não quer

A publicidade de telefonia celular segue mais ou menos os mesmos padrões em qualquer lugar do mundo, tal como comentou nosso colaborador aqui no blog, a de cerveja. Mesmo em um terreno literalmente minado, a Cellcom Israel lançou mão de um humor mais que negro para dizer que "no final, o que todo mundo deseja, é se divertir". A fórmula de sempre...amigos, um telefone e alto astral. Só que envolvendo a situação da região com os palestinos, a brincadeirinha por lá é séria. Eles não são o que poderíamos chamar de "muy amigos". A idéia não é ruim, mas por razões óbvias, não convence. Veja o primeiro vídeo, tire suas conclusões e logo veja o segundo, a resposta palestina. Não tem a técnica do realizado pela McCann-Erickson, mas usa a mesma "estratégia".




30/07/2009

Novos habitantes...

A paisagem européia realmente não é mais a mesma. Não voltava a Paris há um ano e meio e senti uma grande diferença na rua. A presença de muita gente pedindo dinheiro no metrô e mendigos a cada quadra. Estive no centro, pelo bairro de Saint Germain, não posso falar de forma mais ampla sobre toda a cidade...mas que alguma coisa mudou, ah mudou! Vejam a nova tendência na capital da moda:





Fotos: David Eliot

29/07/2009

Um dia de chuva em Paris



28/07/2009

MC e MJ

Geralmente é nas situações mais inusitadas que gente encontra os personagens mais divertidos e estranhamente originais durante a vida. Estive em Paris por três dias, para um casamento, no qual o noivo era o meu cunhado. A noiva era de um país que eu conheço muito pouco, para não dizer nada: a Costa do Marfim. Isso já foi motivo o suficiente para a família dela não entender quase nada do meu francês improvisado e vice-versa, já que o sotaque deles é bastante diferente. Mas sabe como é, um vinho aqui, outro lá, e todo mundo tá falando pelos cotovelos nesse tipo de "evento". E entre um oui e um sorrisinho amarelo para disfarçar a incompreensão, acabei topando com a mãe da noiva, Marie Chantelle, carinhosamente apelidada de MC. Uma pessoa das mais espontâneas, dessas que você é capaz de odiar e admirar em cinco minutos. Além de contar histórias e rir do meu sotaque baiano, MC revelou um grande amor: Michael Jackson. Passos na pista de dança, melodias improvisadas com letras que só quem canta entende e uma profunda admiração. No dia seguinte, ela foi conhecer Paris. E quando perguntei o que mais havia gostado, surpresa na resposta: o Michael Jackson do Museu de Cera!!!!!!!! Hoje, meu marido me enviou um vídeo de uma perfomance que aconteceu na cidade enquanto Marie Chantelle passeava por lá. Olha só o que ela poderia ter encontrado...

v.


24/07/2009

De olho nos muros...


Um dos colaboradores eventuais do blog, David Eliot, está começando um outro blog, com imagens de grafites e street art que ele encontra por aí. Não é tão casual, na verdade ele vai atrás mesmo. Deixo algumas fotinhos aqui, mas vale a pena dar uma olhada. Vai lá: Vandalogy



23/07/2009

Lynch e o mundo real

David Lynch abandona por uns instantes seu universo surreal para transitar pelo lado totalmente oposto: a vida de verdade. The Interview Project conta, em episódios de até cinco minutos, a história de pessoas encontradas em uma road trip pelos Estados Unidos. Um terreno totalmente dominado pelo diretor. Serão 121 ao total, exibidos na internet com um intervalo de três dias, em uma página criada especialmente com essa finalidade. Nada de personagens estranhos, saltos de tempo e pegadinhas que você tenta decifrar durante meses. Aqui, como já fez em "Straight Story" (um filme baseado na história real de um homem que atravessa os Estados Unidos montado em uma carrinho de cortar grama para visitar seu irmão), a idéia é explorar o lado comovedor e abusrdo que só a realidade tem. E ele consegue o que pretende, como sempre.

22/07/2009

Estilo online



Vamos combinar que todas as inovações na moda masculina estão dirigidas para o público gay e que um homem que não curte moda não tem muito como se reinventar. É um bom par de jeans, outro de All Star e uma camiseta bacana. Só. Entendo que soa meio aburrido, mas são raras as marcas que entendem isso e decidem apostar neste público. Estes dias, um amigo me mostrou dois sites interessantes, que vendem camisetas bacanas e que ajudam a tirar os homens do tédio.

O primeiro é o Threadless (imagens acima), marca americana que tem desenhos exclusivos por preços bem razoáveis. As peças da coleção, que inclui modelos femininos e masculinos, custam em média 15 dólares e são enviadas pelo correio. A única desvantagem é não poder experimentar a peça antes de comprar, mas esse amigo fez a prova e disse que vestem bem.


O outro site é o Sixpack (imagem acima), da marca francesa de mesmo nome, fundada em 1998, em Avignon. Com um apelo de streetwear voltado ao universo da arte e do grafitti, a marca desenvolve parcerias com artistas underground para criar estampas assinadas, em edições limitadas, uma mais bacana que a outra. São mais de 120 artistas da França, Inglaterra, Alemanha ou Estados Unidos, que já colaboraram no projeto. Estas já são um pouco mais caras, em torno de 30 euros.

O mais bacana é que ambas as marcas vendem por internet e tem tantas opções que o risco de encontrar o vizinho com a mesma camiseta é praticamente nulo. Será o fim da “Banca de Camisetas”?

m.

21/07/2009

Vamos por aí!

Acabo de chegar do Brasil, depois de 20 dias de vida boa, amigos e família. É difícil voltar para o mundo real. Ainda mais em um momento em que quase todo mundo também está viajando por aqui. Dá aquela sensação estranha de que os amigos foram embora. Alguns deles estão indo de verdade...como a companheira desse blog, a Maíra. Na verdade, esse é um papo para outro post. Por agora, conto que consegui encontrá-la por apenas algumas horas, enquanto ela arrumava as malas para uma viagem de 45 dias pelo Leste Europeu. Um roteiro que certamente traerá muito conteúdo legal para o blog. O probleminha por enquanto, é que uma vai para um lado e outra para o outro. Ok, a gente não tá reclamando de viajar...Mas fica mais difícil atualizar esse espaço com tanta frequencia. Enquanto ela estiver fora, vou tentar dar conta do recado. Como ela fez nessas minhas férias brazucas!!!!

Boa viagem, amiga! A gente vai esperar as novidades!!!

v.

20/07/2009

M.I.A. versus Bill Gates

O Twitter da cantora M.I.A. deve estar bombando. A cingalesa, conhecida pela militância pelo fim da guerra civil no Sri Lanka, apresentou hoje uma critica pública em sua página a ninguém menos que Bill Gates. O homem mais rico do mundo é acusado de financiar o genocídio no país através do apoio dado ao governo atual, com a instalação de projetos de TI pela Bill Gates Foundation e investimentos pesados em áreas de infra-estrutura e tecnologia, o que em teoria fortalece o presidente Percy Mahendra "Mahinda" Rajapaksa. Quem te conta sobre os negócios é o próprio Gates, no vídeo que você vê abaixo.



A guerra no Sri Lanka começou em 1983, quando o grupo de minoria étnica Tamil, inicia o processo pela independência através da luta armada. M.I.A., que nasceu no Sri Lanka mas é radicada na Inglaterra, conviveu de perto com o conflito, já que seu pai, também de origem tamil, participou na formação do grupo militar independentista. O conflito já matou mais de 70 mil pessoas e dura mais de 25 anos.

17/07/2009

Fabes are sexy

Tudo bem que a publicidade espanhola não lá muito reconhecimento, mas de vez em quando até que aparece coisa boa. Repare neste comercial de fabada (um prato super típico da região de Astúrias, feito com feijão branco e carnes) e diz se não parece com qualquer um da H&M.

16/07/2009

E viva a Internet 2.0

A explosão da internet 2.0 tem proporcionado muitos projetos interessantes e a Mahou, potente marca espanhola de cervejas, decidiu usar este fenômeno a seu favor. A empresa lançou há tres meses a campanha Wikipeli, em que qualquer internauta pode participar na realização de um curta-metragem. O resultado foi apresentado nesta semana, com um evento, em Madrid.

A partir de una sinopse inicial elaborada pelos roteiristas José Corbacho y Juan Cruz, contratados pela marca, cerca de 3.250 pessoas participaram como co-diretores online, decidindo sobre os rumos do roteiro, da montagem, do figurino, da direção de arte e fotografia. Os numeros são surpreendentes:

217 sugestões de título para o curta
686 sugestões de nomes para o protagonista
114 videocastings para diversos papéis e pontas
112 propostas de música para a trilha sonora
87 fotografias para inspirar locações
Centenas de sugestões de cartaz para o filme e para o trailer da película.

Imagina o tamanho dos créditos! O projeto deu forma ao curta Universos, de 30 minutos, que vc pode ver na íntegra abaixo. Um blog contando todas as etapas de realização do curta também foi criado, gerando mais de 40 mil acessos durante o processo. Enfim, na minha opinião, um projeto de respeito, que cria vínculos bastante intensos entre os participantes e a marca, além de muita notoriedade.


15/07/2009

Mondo metal

Hoje em dia, nem o diabo está a salvo das estratégias marqueteiras das multinacionais. Ele já não pode mais reunir as suas bandas preferidas sem o consentimento dos novos verdadeiros donos do mundo. A "Highway to Hell" com pedágio.

Estive no festival Sonisphere de Barcelona este fim de semana: Metallica, Slipknot, Machine Head, Down, Mastodon... só gente fina. E os 40.000 devotos que presenciaram esta orgia sonora sabem do que estou falando.

Não fazia nem dois minutos que eu havia entrado no recinto do festival e uma moça da Telefonica-Movistar já tinha pendurado meu pescoço uma espécie de programa, que lembra credencial de backstage. Me convidaram a descarregar música pro meu celular e, sem saber porque, eu estava assistindo fascinado a uma demonstração de Guitar Hero Metallica (ver video). Também quase coloquei o meu nome na lista do local de ensaio da Movistar, onde fulano podia demonstrar as suas aptidões musicais. Estou bem arrependido, seguramente haviam descobridores de talento escondidos por aí. Next year...


Mas vamos falar a verdade. Foi um dia inesquecível e muito divertido: as bandas (totalmente entregues), as toneladas de decibéis, o karaokê do Metallica do palco principal, o bom humor ambiente, os litros de cerveja, a localização excepcional do festival (parc do forum, de frente para o mar), os momentos de glória efêmeros da sala de ensaio, a banda de cover ambulante Blaas of Glory (não perca no video).

E o Down... que dizer do Down... Definitivamente a melhor banda do mundo. Até comprei a camiseta (30 euros). Foda.

Por David Eliot, em colaboração para o blog

14/07/2009

The Gossip Girl

Rolou uma raivinha de saber que o Gossip tinha tocado no Brasil e não em Barcelona. Mas quando anunciaram a nova turnê e incluiram a cidade no roteiro, gerou comoção. Tínhamos comprado o ingresso há mais de um mês e ontem, finalmente, o entregamos ao moço da bilheteria.

É redundante dizer, mas não tem banda sem Beth Ditto. A voz dela é tão potente no Razzmatazz, com fumaça de cigarro, quanto no estúdio. Não parou de dançar, até suar tanto que arrancou o vestido amarelo para ficar só de com uma "combinação" preta e transparente. Melhor assim, o amarelo não cai tão bem pra ela, hehe.

E o resto é resto. Entraram meia hora atrasados, o que para o público catalão é quase um insulto, mas nada que o carisma dela não quebrasse com um "I'm sorry, it was my fault". Uns pequenos tributos no intervalo entre as canções, com refrões de Talking Heads, Tina Turner, Iggy Pop (e até Rihanna, o que eu não entendi muito bem) levantavam o público antes de que o baixo entrasse com força e tirasse todo mundo do chão.

A gente, que foi pra lá com o espirito do terror, nem quis levar a camera fotográfica pra não atrapalhar o baile. O que vc vê abaixo, agradeça aos colegas que postaram no you tube

Cada povo tem os governantes que merece

O senado pegando fogo, José Sarney na linha do pênalti e, para fazer o democrata, o presidente da casa decidiu anular os votos secretos, denunciando 663 atos indicados como indevidos e pedindo a devolução do dinheiro implicado em cada um aos cofres públicos. Não bastasse todo o circo armado, o custo financeiro e a vergonha que isso implica, ainda temos que nos deparar com as opiniões de gente super educada e informada, como o sujeito abaixo:

[valdevino] [Ponta Grossa Paraná Brasil]
Eu acho tudo o que acontece em Brasilia é uma vergonha, eu ainda tenho saudades do tempo da Ditadura Militar por que não aparecia tanta roubalheira no nosso Brasil, ou era bem camuflado. Agora com a Democracia é um escandalo atraz do outro começamos com a morte do Tancredo Neves e quem assumiu o governo foi o proprio José Sarney, e quem não se lembra do cassador de marajas Fernando Color de Mello que surrupio o dinheirinho do povo brasileiro, das cadernetas de poupança e depois veio o plono real que deu certo no primeiro mandato e para que Fernando Henrrique Cardoso fosse reeleito foi feito um acordo com o FMI para a desvalorização do real e ai o dolar disparou chegando a 3 por 1 e ai veio a ameaça da inflação e a partir do gov. Luiz Inacio Lula da Silva é que os brasileiros começaram a viver melhor. Agara com tantos escandalos o mensalão, o caso Sverino, Renan Calheiros, o Homem do castelo e muitos outros. Agora os atos secretos do Sarney o povo brasileiro não meresse isso pense bem!!

13/07/2009 20:21

*** opinião publicada pelo UOL no forum relacionado à notícia, que vc lê na integra aqui. Ele bem que podia começar com umas aulas de português
, né???

09/07/2009

Civilidade ou repressão?

A associação hoteleira de Barcelona apresentou ontem uma reclamação à prefeitura da cidade, pedindo ajuda para resolver problemas de "ordem cívica" em relação aos turistas. Eles propuseram uma lei que proíba o uso de biquini em lugares públicos, especialmente no centro antigo. O argumento é que este tipo de comportamento ajuda a decair a imagem de Barcelona, na qual o governo tem investido pesado nos últimos anos e tem gerado novos ingressos no setor turístico.

Jordi Clos, presidente do Gremio de Hoteleiros, contou ao jornal El País que este tipo de comportamento "obsceno" vem aumentando nos últimos cinco anos e é uma atitude que não se vê em Paris ou Londres, por exemplo. O que ele esquece de avaliar é que nenhuma destas duas cidades tem praia e tampouco atingem as temperaturas astronômicas que temos aqui no auge do verão.

Enfim, é uma discussão complexa e a medida é entendida por alguns como repressiva. Imagina se alguém decide propor isso no Rio de Janeiro?

Boniiiito também não é, né?

08/07/2009

Estar em casa!

Tem coisas que a gente só sente no Brasil mesmo... Estou na terrinha há duas semanas e entendi exatamente o que é que eu mais sinto falta daqui. Não dá para explicar direito. É o ambiente despreocupado e sem vergonha. Também não sei se essas são as palavras certas. Talvez o jeito de encarar a vida, que é quase imperceptível se você vive isso todos os dias.

Vi um comercial da Havaianas na TV e me emocionei. Porque é disso que eu estou falando. Sei que muitas coisas fazem a gente sentir raiva e até vergonha do Brasil, mas tem uma que todo mundo deveria aprender com a gente: não levar a vida tão a sério!
v.

07/07/2009

Pobre viaja de pé

O fenômeno das empresas low-cost que fazem vôos dentro da Comunidade Européia parece não ter limites. A Ryanair, uma das mais 'chungas' do setor, anunciou que pretende aprovar uma lei em que possa comercializar passagens ainda mais baratas para aqueles que queiram viajar de pé. A proposta é de modificar a parte traseira do avião e implantar cadeiras verticais, semelhantes a um balcão de bar, em que os passageiros poderão inclusive usar o cinto de segurança. Este tipo de assento deverá existir apenas em vôos com duração de menos de 90 minutos, caso as autoridades irlandesas (onde está sediada a cia.) aprovem o pedido.

A Ryanair é geralmente a que oferece as tarifas mais baratas, com vôos de menos de 5 euros, mas costuma utilizar aeroportos menores e mais afastados das grandes capitais, o que torna a viagem muito mais longa e às vezes até mais cara.

Como forma de compensar o lucro, as aeromoças são obrigadas a passar vendendo perfumes, relógios e outros artigos de freeshop. Um copo d'água a bordo chega a custar 2 euros. Há algumas semanas, o presidente da Ryanair anunciou que cobraria uma tarifa para os passageiros que quisessem utilizar os banheiros durante o vôo. Ao que tudo indica, tampouco será aprovada.

Cabine da Ryanair. Mais apertada que busão pra Heliópolis

06/07/2009

Tinta a óleo e enxada

Ela tem talento, enterra os quadros que pinta e ainda por cima é mulher de Paulo Coelho. Prato cheio para o jornal El País estampar uma matéria de página inteira sobre Christina Oiticica, que abandonou o diploma de arquitetura para se dedicar às artes plásticas. Hoje, ela inaugura uma exposição que apresenta, em Madri, seus quadros pintados "em parecia com a natureza". O projeto começou quando Christina pintou uma tela tão grande que não cabia em nenhum lugar da casa. Um pouco contrariada, deixou a obra no jardim, exposta ao vento, à chuva, à poeira. O resutado a surpreendeu e passou a utilizar a técnica de desgaste natural para acrescentar um efeito inovador às suas obras.


Assim como marido, Oiticica tem uma relação muito estreita com o Caminho de Santiago e as obras expostas a partir de hoje, na Galeria Biondetta, foram todas elaboradas neste trajeto. Desde a França até a Galícia, às margens do caminho, ela foi produzindo os quadros e os enterrava ali mesmo. "Minha arte é como o peregrino: necessita sair das quatro paredes do estúdio", explica ela ao jornal. Em cada região o efeito da natureza é diferente e por isso cada obra tem a característica do lugar onde foi enterrada.

Galeria Giondetta - Madrid
Calle Almagro, 30
A partir de hoje até dia 29 de julho

03/07/2009

World music o cacete!

Uma das primeiras coisas que qualquer brasileiro descobre quando sai do Brasil é como somos ignorantes em relação a outras culturas. Explico: uma vez no Paraguay, na casa de uma amiga, escutávamos músicas brasileiras no rádio a cada 15 minutos. Uma das músicas inclusive, fazia o pai lembrar contente que era um dos temas da novela "O Clone". No entanto, o que conhecemos de música paraguaia? Assim como os americanos, temos a tendência a colocar tudo que não é cantado em inglês (ou português) na categoria de World Music ou música exótica e não damos a devida importância.

Outro exemplo: ano passado saímos na Diada, o dia nacional da Catalunya (11 de setembro) para uns concertos que teriam na praça do Arco do Triunfo. Nesse dia tem shows por toda a cidade, passeatas, grupos independentistas fazem seus manifestos, associações abrem estandes próximo aos shows e tudo isso. Víamos o interessante show do "La troba Kung-fu", meio Manu Chao, algo Falamansa (eca!), cantando em catalão (claro!). Não é que acaba o show e eles me colocam o "Kaya na Gandaia", do nosso ex-ministro? E todos continuavam dançando, alguns arriscavam cantar e boa parte dos que estavam ali sabiam ao menos quem era Gilberto Gil. Uma amiga me pergunta "Você não gosta? Mas por quê? É que nem irlandês que não gosta de U2, australiano que não gosta de Midnight Oil...". E a Eli, outra amiga pergunta para essa "E o que nós não gostamos?". "Ah, vai saber... com certeza deve ter algo". Provavelmente deve ser algo espanhol, já que elas são catalãs (e separatistas... hehehe).

E de novo a pergunta: o que sabemos de música catalã ou de música espanhola? Conhecemos (é chato admitir) o que conhecem os americanos, em boa parte dos casos. Música em espanhol? Shakira, Ricky Martin, Buena Vista e Gotan Project, no máximo. Em Italiano? Eros Rapazote e Laura Pausinho, tão melosos. E os mexicanos do Café Tacuba? Os argentinos Los Rodriguez? O espanhol Jarabe de Palo? Esses ninguém conhece muito no Brasil e são um grande sucesso em toda a América Latina e Espanha.

Tudo isso para dizer que ontem tocou aqui por Barcelona, no Poble Espanyol, os Ben'Bop, grupo franco-senegalês, abrindo pro show do Emir Kusturica & the no Smoking Orchestra (que falaremos melhor em outro post, assim como os já citados Manu Chao e U2). Como todo show de abertura eles tocaram cedo, as pessoas estavam chegando, ainda estava claro (apesar de já ser 9 da noite) e ninguém conhecia. Mas a banda é realmente boa, os caras são empolgados e tem um elemento que pode ajudá-los no futuro: a presença do violinista Arnaud Samuel, ex-Louise Attaque (o nosso grupo francês favorito e grande sucesso por lá. Conhecem?), que faz você reconhecer o som no ato. Aí abaixo, uma pequena amostra do que foi o show. Escutem com a cabeça aberta e incluam mais uma nacionalidade na sua discoteca. Tão mais legal se vem do Senegal. Desfrute! E descubra mais no My Space da banda.


Por Ricardo Kenski, em colaboração para o blog
video

02/07/2009

Gracias, MERCI

O reinado da Colette, em Paris, pode estar ameaçado. Neste semestre foi inaugurada na cidade a MERCI, uma nova concept store de luxo, mas com algo mais. Além de uma seleção de moda exclusiva e impecável, a loja aposta no charity-business, em que destina parte dos lucros para associações de assistência social ao redor do mundo. O negócio pertence ao grupo da Bonpoint, tradicional marca francesa de roupas infantis, e ocupa uma casa de 1,5 mil metros quadrados no 3ème Arr. O blog de moda The Factualist fez uma lista dos principais motivos para amarmos a nova boutique:

- Coleções de marcas premium desenhadas exclusivamente para MERCI. Roupas masculinas, femininas, e infantis de marcas como Isabel Marant, Jérôme Dreyfuss, Marni, Paul & Joe, Stella McCartney, Swildens, Christian Tortu, YSL, entre outras.
- Os preços não são abusivos.
- As marcas representadas na loja destinam parte dos lucros a associações em Madagascar.
- O ambiente convida a uma experiência de estilo de vida e cultura, e não apenas de consumo.
- A seção de livros, com uma inspiração meio novaiorquina, convida a uma pausa para um chá ou café enquanto se lê livros de segunda mão, em diversos idiomas, doados por associações.
- O laboratório de Annick Goutal cria fragrancias "sob medida".
- No armarinho à moda antiga se pode comprar zíperes e botões
- A floricultura de Christian Tortu é linda

Mais um endereço obrigatório para anotar no moleskine.

01/07/2009

As rebajas e o consumo reprimido

Precisa ver a cara de pavor dos vendedores das grandes lojas de Barcelona, hoje. Me lembrou os tempos de São Paulo Fashion Week, em que trabalhava 16 horas por dia, aguentava os maiores pitis e ainda tinha que fazer cara de fofa. Pois foi com esse espirito que o batalhão comercial enfrentou o primeiro dia de "rebajas", ou "dia-oficial-de-espanhol-fazer-compras".

A partir de hoje (1.07) até 31 de agosto, os preços de roupas, sapatos, acessórios, celulares, computadores, ou seja tudo o que não é comida, tem descontos de até 70%. Considerando que este foi um ano super difícil por aqui por causa da crise econômica, a maioria dos consumidores tinham um impulso reprimido durante os últimos seis meses e hoje, dia tão aguardado, liberou a pequena verba para fazer um auto-afago.

O resultado são lojas lotadas, gente brigando, carrinho de bebê atropelando velhinho e eu no meio. Mas valeu a pena.

A Zara era a mais lotada e a mais organizada também. Precinhos de 5 a 79 euros.
A Mango, bem organizada e um pouco mais vazia. Tinha camiseta por 3 euros.
A H&M era pura zona, filas enormes nos provadores, mas tinha acessórios de 60 centavos.

Olha só como estava a Zara às 7h30 da noite: